Fispal Foodservice faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_238969402

Surpreenda seus clientes servindo espumantes na happy hour

Quando se fala em happy hour no Brasil, vem à mente a imagem tão querida pela maioria, de uma mesa de bar com petiscos gostosos e, claro, cerveja bem gelada. Por questões culturais, não se costuma relacionar esse momento ao consumo de vinhos ou de espumantes. Isso faz com que a ideia de uma happy hour regado a espumantes seja, além de original, uma boa oportunidade para aumentar o consumo desse tipo de bebida, que o Brasil produz com qualidade e a preços atraentes.

"Habitualmente, para um fim de tarde, busca-se os espumantes mais leves e mais frutados", explica Artur Azevedo, presidente da ABS-SP  (Associação Brasileira de Sommeliers – São Paulo). Servem como exemplos os proseccos, "mais leves, agradáveis, mais frutados e menos sérios". Porém, devem ser priorizados aqueles sem grande tempo de contato com a levedura e deve-se evitar os safrados, que não são tão leves ou frutados.

E o Brasil produz bons espumantes, segundo Azevedo, pelo método Charmat, com predomínio de chardonnay. Ele cita ainda os espumantes do tipo rosé, bem frescos, com aromas de frutas vermelhas. Em uma ocasião como uma happy hour, "é uma questão de buscar os mais frescos, mais frutados e mais leves", frisa o presidente da ABS-SP.

Segundo Azevedo, bons espumantes têm vindo de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, desde os mais baratos, de R$ 40 a R$ 50, até os mais caros, na faixa dos R$ 100.  "Mas em um happy hour, eu iria nos mais baratos", sugere. O especialista considera uma ideia muito interessante utilizar espumantes em ocasiões desse tipo, "sem aquela formalidade, como uma opção que você pode beber sem frescura, não tem sentido a formalidade nessa situação".

Paladares feminino e masculino

Na opinião de Azevedo, definitivamente não há distinção entre os paladares feminino e masculino. "Ambos podem ter os mesmos tipos diferentes de paladar."  Ou seja, é mito aquela história de que elas preferem bebidas mais doces. Inclusive, para uma happy hour, o especialista não indica espumantes doces, por causa do horário. Já as bebidas com as três características citadas antes (frescor, aroma frutado e leveza) vão agradar a todos. A doçura deve vir da própria fruta madura utilizada no espumante, sem adição de açúcar.

Essa escolha será adequada para os petiscos mais usados em happy hours, como salgadinhos, inclusive fritos. "Com espumantes de boa acidez, não há problema que os petiscos tenham um pouco de gordura." Azevedo comenta que os nossos salgadinhos mais consumidos, como as frituras e frios, combinam bem com essa proposta. Mas ele lembra que há combinações atraentes com inspiração nas tapas espanholas, por exemplo, também chamadas de "pinchos", petiscos para se pegar com o palito, com maior variedade de frios e frutos do mar.

degustacao-vinho

TAG: vinho
Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar