Fispal Foodservice faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Especialista mostra como fazer transição de gestão familiar para governança corporativa

Como fazer transição de gestão familiar para governança corporativa

Normalmente empresas começam com envolvimento dos familiares.  Com o tempo ela se desenvolve com eficiência. Em dado momento, porém, por algum motivo, surge a necessidade de mudar o formato da administração para uma governança corporativa.  Uma das primeiras dúvidas é como essa transição pode ser realizada de forma eficiente sem impactar negativamente a reputação construída com anos de dedicação.

A mudança do organograma precisa ser decidida por consenso, em que todos os membros da família tenham plena certeza do passo que está sendo dado, garante Marco Ornellas, consultor e diretor da Ornellas – Consultoria Empresarial em RH e Escola de Recursos Humanos. “Depois é muito difícil ter volta”, alerta. Além disso, é possível dar três passos importantes nesse complexo processo. Acompanhe as dicas para acertar.

Primeiro passo: saber por que fazer a transição

A diretoria precisa refletir sobre os motivos que a levaram a decisão de fazer a transição do formato de gestão, pois isso tem a ver com alguma estratégia. Definir qual é essa estratégia – busca por mais inovação, eficiência, lucro ou diversificação de mercado – será importante para definir os novos rumos. “A própria decisão demonstrará a razão da mudança. E o executivo escolhido precisa ser associado a isso”, afirma o especialista.

Segundo passo: escolher um gestor experiente

É válido escolher um gestor que tenha experiência na estratégia estabelecida, deixá-lo acomodar-se num conselho da empresa e que ele implemente as mudanças. Isso porque não adianta apenas sentá-lo na cadeira. É preciso que, com essa nova perspectiva, toda a cultura se transforme.

Terceiro passo: estimular a mudança de cultura

Ornellas compara a transição com o movimento de um pêndulo indo da cultura familiar, mais internalizada, para a de mercado, em que os executivos serão cobrados pelo resultado. “Antes era o dono que tomava a decisão, mas quando se coloca um executivo, os funcionários precisam entender a nova dinâmica.” É uma cultura de resultados e o próprio executivo vai ter de viabilizar isso.

Por fim, boas práticas devem ser mantidas, em uma decisão que pode ser tomada entre o executivo e o próprio conselho, aliando os pontos positivos da tradição e do mercado. “E essa mudança precisa ser bem aceita, pois a cultura é prática. Se o funcionário não mudar o pensamento, não mudou a cultura. Mas um bom gestor sabe fazer essa mudança”, finaliza.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar